Por um mundo com mais homens e menos machos

Sempre que ouço as pessoas falando sobre as dificuldades de se criar uma menina, especialmente em um país violento e machista como o Brasil, penso imediatamente nas dificuldades que vivo diariamente na criação do meu filho Bernardo.

Bernardo tem 8 anos. Ele adora ler, desenhar e tocar piano. É um garoto criativo, intenso e extremamente sensível.

Cheio de personalidade e até o momento pouco preocupado com a opinião alheia, Bernardo já fez Ballet; já se apresentou em um grupo 99% feminino (embora a proposta da turma fosse ser mista) fazendo ginástica de solo; tem um boneco menino o qual considera seu filho e com quem brinca de panelinhas e boneca com a irmã; não é lá muito fã de futebol (embora jogue vez ou outra com os amigos) e do ano passado pra cá já fez 2 tererês no cabelo (aquela trancinha com linhas e pedras coloridas).

E é aqui que entra a minha questão sobre as dificuldades de se criar um menino em uma sociedade que insiste em estigmatizar os homens como machos e tanto se preocupa em impor regras bizarras sobre o que é de menino e o que não é.

Acho que é por esta razão que particularmente ADORO iniciativas como a da nova propaganda da GILETTE, que de maneira ousada e original – especialmente vindo de uma marca de produtos essencialmente masculinos – faz uma provocação extremamente atual e necessária ao conceito de masculinidade tóxica, que ainda insiste em prevalecer.

Há poucas semanas, passeávamos pelas ruas tranquilas da pequena vila de Maringá, com um casal de amigos e suas meninas, quando de repente:

– Mamãe, podemos fazer tererê?

– Claro, filho!

Nos aproximamos das “barraquinhas” de tererê e dividimos as 4 crianças (3 meninas e 1 menino) em 2 grupos, a fim de acelerar o processo e dar tempo de todo mundo fazer a trancinha e depois jantar.

Entramos no Restaurante em frente e ficamos de olho na bagunça e no entusiasmo dos 4, enquanto escolhiam as cores das linhas e pedras que comporiam o adereço capilar.

10 minutos se passaram e vejo meu menino adentrar o restaurante cabisbaixo e bem decepcionado, ao lado da amiga:

– Mamãe, o cara disse que eu não posso fazer tererê

– Por que não pode, filho?

– Porque ele não tem cores, nem pedras pra MENINOS

– Mas isso é bobagem, filho, não existe cores, nem pedras pra menino

– É, eu sei, mas ele não quer fazer

– Então vamos mudar o esquema e vocês 4 fazem com o cara do lado. O que me diz?

-Obrigado, mamãe!

E me deu um sorriso como este aí, do dia em que fez o primeiro tererê. Um sorriso leve, doce e cheio de gratidão, que encheu meu coração de alegria e me fez pensar que é assim que a masculinidade deveria ser: leve, doce e com mais compaixão.

1 Comment

  1. Regina says: Responder

    Fantastico. Vc é uma excelente educadora.

Deixe uma resposta